Letras do disco “Ilha Desconhecida” [2015]

Todas as letras por Dabliu. Todas as músicas por Dabliu exceto Barco à Vela, por Stéfanos Pinkuss.
1. Na Véspera do Tempo

Desconhecida
A vida se move
Desconhecido
O amor se desfaz e refaz
Desconhecida
A sorte cumpre o erro
Desconhecida
A ilha que sou

2. A Ilha

A ilha sem vista se isolou
Coragem no sangue fez sua casa
Tem ilha que afunda sem saber
Tem ilha que segue adormecida

Bonita
As ilhas não podem navegar

Ela quase foi feliz

Estou carregado do que não sei sentir
A intensidade me faz morar aqui
Se a felicidade é um instante

A ilha sabia que ilha era ser só
A ilha em desejos se sentir menor
Queria ser ilha navegante

Ela quase foi feliz

Enquanto ela pede um pouco de espaço
A vida não quer mais saber
E enquanto ela perde um pouco de espaço
Da vida não quer mais saber

No fundo daqui ilha sonha sem saber
No fundo do sonho inventando o que é viver

Não basta estar vivo e ser ausente

E já não tão fundo se enxerga a cicatriz

Estou num arquipélago que pensa ser feliz
No fundo essa ilha é toda a gente

3. Desassossego

Eu ouço um dia enlouquecido
Eu sinto o fogo que vem do sol
Trazendo o verão

Eu ouço um grito de socorro
Se vejo o meu sossego eu corro
Em outra direção

Ouço o tempo se arrastando
Ouço a minha voz calando
Pra dormir

Ouço as cordas ecoando
Ouço os ventos sussurrando
O que eu não devia ouvir

Eu sinto um passo em meu encalço
Mas vejo a minha sombra
Tentando andar atrás de mim

Vejo a escada de concreto
E a minha casa da árvore
Que fica perto do jardim

Quero chorar mas não posso
Tento dizer mas não quero
Tudo o que eu quero é ser de mim

E nesse desassossego
Ouço uma voz ecoando em meu ouvido
-Vai além

Eu vejo um céu timbrado em ilhas
As ilhas feitas de nuvens
Que eu não consigo alcançar

Se eu sou do mundo, ele sou eu então
Não há espaço pra mais nada
Dentro dessa conspiração

Acho um caminho deserto
Não há quem estava certo
E nem quem nunca mais terá razão

E quem vai podar minhas asas
Se eu encontrei minha casa
Indo pela contramão e a voz além?

Respondo a quem?
Respondo a quem?
Respondo a quem?
Quem vai além?

4. Viajante

Quero morar num lugar
De onde dê pra ver a lua
E decorar constelações

Busco a companhia
De mim mesmo agora
Pra entender das multidões

Faz tempo, faz tempo que eu insisto
Em fugir da imagem vã
Do que projetam fora de mim

Faz tempo, faz tempo que eu existo

Adormecido em minhas cartas e rascunhos
Sem um fim

Sou o viajante que te descolou
Os pés do mundo
E inspirou teu coração

Mas não chore na distância
Estrangeiros de nós mesmos
Vamos pra qualquer direção

Faz tempo, faz tempo que eu resisto
Ao não ser a borboleta no alfinete
Pra enfeitar

Faz tempo, faz tempo que eu persisto
Em dizer pro meu futuro
Em qual futuro eu quero estar

Amor demais, amor qualquer
Você tem pra dar ou só quer?
Amor de si, amor de alguém
Você vai levar pra quem?

5. Orbitar

Eu te pedi pra estrela cadente
Que riscou de prata o céu
Ganhei você, um sol só pra mim

O desconhecido ainda é sem nome
Nesse espaço escrevo o seu
Logo amanhece e te encontro aqui

Noite sem vento, amigo do escuro
Eu jurei seguir tão só
Luz, solidão que eu mesmo apaguei

Vi teu azul piscar nos meus olhos
Vi teu lábio se mover
Sonhei em teus medos e então adentrei

Orbitar teu céu
E junto com você na vida passar

Eu me joguei nos braços do mundo
Veio a vida que eu pedi
Mas ser livre dói do começo ao fim

Dentro do mundo meu corpo é uma jaula
Minha mente a chave tem
Como esperar que eu saia de mim?

Orbitar teu céu
E junto com você na vida passar
Você bem junto a mim
E eu sei meu lugar
Orbitar teu céu
E junto com você na vida passar

6. Barco à Vela

Não quis desenhar
Um barco à vela pra gente morar
Nem escrever um final

Queria ficar satisfeito sabendo que é imaginação
Queria pular pro futuro e me acostumar na solidão
Mas quando eu fico só
Sou teu

Palavras na minha parede
Quereres daquilo que senti
De todas canções de amor que eu faço
Teu nome está ali
No espaço que eu criar
Sou teu

Meu amor abre os braços na chuva
Que sou eu querendo te abraçar
Se estás do outro lado do sonho
Meu vento te faz atravessar
Olha pra mim
Eu estou aqui

E pairando no seu pensamento
Minha sombra desapareceu
Reconheço seus olhos no mundo
E você descobria que era eu
Olha pra mim
Eu estou aqui

Eu silenciei
E ouvi bem atento o tempo dizer
Faz minha história feliz

Milhões de canções nesse mundo
Mas eu só preciso ouvir sua voz
Enfeitados em um segundo meus dias nublados têm mil sóis
E os remos pra fugir daqui

E pairando no meu pensamento
Sua sombra desapareceu
Se pensava em alguém do seu lado
Agora eu descubro que sou eu
Estou aqui
E o início é o fim

7. A Borboleta e o Vagalume

Até parece que eu ouvi seu coração
Até parece que eu senti você chorar
Do medo de nunca encontrar ninguém

Depois de tanto tempo você tem a si também

De tanto estar calado fabricou canções

Tantos silêncios que seu mundo ensurdeceu
Misantropia ou ser Prometeu?
Acreditar que no fundo você sou eu

Se toda alegria é tão fugaz
Preciso achar onde eu encontro a paz
E quando penso que estou tão perto de quem eu sou
O que criei é tudo que esqueci

E mesmo que falem da dor
As canções são as coisas tão bonitas
Não é?
O grito de quem já roubou toda a tristeza do seu próprio coração
Pra pôr numa canção

Quantas esquinas a gente nunca cruzou?

(até parece que eu ouvi seu coração)
Quantas auroras a gente nunca assistiu?
Quantas palavras que eu nunca falei?
Quantos amores que eu nunca sequer sonhei?

E a lágrima não escorre pra trás
Quem já se foi não vai voltar jamais

Saudades do futuro que escolhi pra mim
E sem você eu nunca mais vivi

E mesmo que falem da dor
As canções são as coisas tão bonitas
Não é?
O grito de quem já roubou toda a tristeza do seu próprio coração
(Pra pôr numa canção)

E acho que agora estou
Tão perto de tudo o que eu já quis um dia
(A ilha sem vista se isolou)
E longe de você eu brinco de ser quem já sou
Pra quando essa canção silenciar

8. Gaia

Minha alma é igual de passarinho
Mas meu coração tem ares de estrela do mar
Gosto de ficar assim quietinho
Mas no outro instante posso já querer voar

Tenho trinta nomes, sete vidas
Um milhão de sonhos, e um só coração

Quatrocentas feridas abertas
E oitocentas cicatrizes pra lembrar que vão fechar

Conto estrelas como conto os dias

Diferente deles nunca vi uma morrer
A ponte quebrada, rio, floresta
Sangue seco, asfalto, a vida passa e ninguém vê

Visto a minha esperança nova
Mas sorriso não combina com essa estação
Em silêncio me evaporo em linhas
Belos acontecimentos da imaginação

Quem vai me separar de mim?

Abracei a mim à luz da lua
Num aceno só me despedi do que eu não sou
Quem vai separar o mar da terra
Se um já não seria sem o que o outro criou?

Quem não sou, não chore, pois não volto
Deixo meu passado de recordação
Tenho sete vidas, trinta nomes
Mas cuidarei bem do único coração

Não vão me separar de mim

“E o menino sem casa segue adiante

A frente o desconhecido
Enquanto a gente fingindo que sonha
Dorme”

9. Desconhecida

Esquece o coração e põe os pés no chão

Esquece a solidão e procura um lugar comum
Insignificante a festa te cegou
E você vai se render

Esquece das estórias, vive o que é real
O mundo não é novo tudo é mesmo sempre igual
Insignificante a festa acabou
Não pode ser, não pode ser
Não pode ser

Eu vim pra longe e mesmo assim
Se eu for fugir de mim
Eu sempre vou me achar

E ser menor pra ser maior
Exilada de si
A ilusão vai só

Alugou todos os seus sorrisos
(Vou onde vou me achar)
E lançou-se ao mar em busca de si
(Quando vou me encontrar?)

Emprestou tudo o que faz sentido
(Vou onde vou me achar
Até quando respirar?)
Mas eu sei que o amor
Sei que o amor virá

Desconhecido é tudo o que a retina não flagrou
Desconhecido é todo amor que você não regou
Nessa insistência de enfrentar teu coração

Pode sonhar, pode sonhar
Pode sonhar

Vou embora

Voe embora
Vou embora